(vídeoclipe com direção de Marcus Lobo, criado para versão da música de Joel Marques, conhecida na voz de Leandro e Leonardo)

eu deveria ter por volta dos 07 anos quando essa canção estourou no rádio. lembro de ganhar um fita K-7 da dupla sertaneja. minha tia que me deu e me ensinou sobre saudade. ela passava os domingos bebendo, chorando e dizendo que não aprendeu dizer adeus. seu marido era caminhoneiro e passava tempos em casa, tempos na estrada. cresci com os versos que falavam em "guardar a dor" e "deixar o silêncio falar por mim". reconhecer meu desejo por meninos foi um processo solitário, assim como imagino ser para muito dos adolescentes gays, especialmente de cidades do interior. eu não tinha referências da afirmação de meus desejos e afetos. amor pra mim era próximo ao ritual dominical de dor que minha tia manteve por anos, ainda que com novas canções. lembro de jovenzinho, não me entregar ao amor. quando começava a me envolver com alguém que fazia meu pensamento orbitar entorno dele, arranjava logo um jeito de me afastar. eu tinha medo de amar, não saber dizer adeus e ficar bebendo, chorando e dizendo que não aprendi dizer adeus. com 20 anos tive meu primeiro ficante mais sério. uma noite, ele me pediu uma música pra gente ouvir e sem querer saltou da minha boca esse clássico da sofrência. ele riu e depois de ouvirmos, me perguntou o porque dessa canção. não soube responder. como quem acerta uma flecha no alvo, ele foi certeiro: "enquanto existir amor real, não há adeus". duramos algo entorno de um mês e depois dele vieram muitos. com cada um, aprendi um jeito de amar, assim como a me despedir quando não havia encanto. em 2018, revisitando minha história para composição do show-documento #comprovendotrocoAMOR, decidi que era tempo de reencontrar esta canção.desta vez, outros versos me pegaram. "amores vem e vão", "se o adeus me machucar o inverno vai passar e apaga a cicatriz". decidi então grava-la no meu primeiro EP (pode ouvir clicando ao lado) para que eu lembre sempre que amor não precede dor e que adeus também pode ser caminho para ser feliz.

(clique e ouça o EP #comprovendotrocoAMOR)

apoio financeiro

marcas PB_Cultura na Palma da Mão.png